sexta-feira, 11 de maio de 2007

Não é meu, mas sim muito "eu"


"Eu adoro ser um trapezista nesse circo escandaloso em que minha vida se transforma. Às vezes estou na corda bamba, às vezes faço papel de palhaço, às vezes rio dos outros palhaços. Tem dias que rio de mim mesmo, e tem dias que enfrento feras e metáforas. Mas vivo sempre lá em cima, trapezista da minha própria existência, bailarino da minha própria esperança. Quase sempre mando que até retirem as redes de protecção para que o risco seja maior que o riso, para que os saltos sejam mais emocionantes e mais altos, para que a aventura seja ainda mais perfeita e mais profunda. E se um dia eu voar de encontro ao chão, isso não terá nenhuma importância maior, porque também viverei a emoção da própria queda. Em nome da vertigem, toda queda tem poesia. Quem cai por amor à vida, cai sempre para cima."
.
autor (des)conhecido
EDSON MARQUES

1 comentário:

Edson Marques disse...

Que bom que te encontrei!

Sou o autor desse texto: "Trapezista".

Está na página 21 do meu livro "Manual da Separação", Ed. Filosoft, 1998, SP, 160 pág,


Talvez eu o republique no blog Mude esta semana.

Abraços, flores, estrelas...